quinta-feira, 11 de abril de 2013

GOVERNADORES DA HUÍLA No tempo da Administração Portuguesa (1901–1975) Contributo para uma listagem e pequenas biografias

 
 
A HUÍLA
No tempo da administração portuguesa, e de 1901 até 1975, pode afirmar-se que a Huíla, situada no sul de Angola, foi distrito administrativo, província e novamente distrito. Desde 1975 é uma das dezoito províncias da República de Angola. Vejamos de seguida uma caracterização histórica sumária da Huíla como divisão administrativa.
O distrito da Huíla foi criado, por desmembramento do distrito de Moçâmedes (que na época e durante muito tempo se escrevia Mossâmedes ou Mossamedes), exatamente no primeiro ano do século XX, ou seja, a 2.9.1901, com sede no Lubango, sendo esta povoação, pelo mesmo Decreto, elevada à categoria de vila, com o nome de Vila de Sá da Bandeira, em homenagem ao homem que tanto se havia empenhado pelo povoamento por portugueses das regiões do sul de Angola. Mas só no ano seguinte teve o seu 1º Governador.
Sá da Bandeira (anteriormente chamada Lubango e atualmente, isto é, desde a independência de Angola rebatizada novamente como Lubango), foi elevada a cidade a 31 de Maio de 1923, quando o caminho de ferro, tendo cruzado o deserto e vencido a serra da Chela, atingiu finalmente o planalto. Esta data é na atualidade comemorada como o dia da cidade e do município do Lubango.
A área abrangida pela Huíla, que primeiramente foi designada distrito administrativo, depois província, e por fim distrito novamente até à independência (1975) foi ao longo dos anos, várias vezes alterada, alargada, diminuída e subdividida em concelhos, circunscrições, intendências e até, enquanto foi chamada província, em distritos.
É mesmo confuso fazer a síntese dessa evolução, não só da abrangência territorial da Huíla ao longo dos tempos conforme determinado pelos diplomas legislativos sucessivos, mas também da sua subdivisão em concelhos, circunscrições e mesmo em áreas militares.
Seria mesmo fastidioso descrever neste apontamento as diversas ou numerosas alterações que o distrito ou província da Huíla sofreu ao longo dos anos até à independência de Angola. Isso daria um trabalho longo e específico. Alguém um dia, decerto, escreverá sobre tal, no caso de ainda não haver algum livro com esse conteúdo completo, o que desconhecemos.
O território angolano era considerado oficialmente desde 1834 Província de Angola, passando a designar-se Colónia de Angola de 1914 até aos anos cinquenta, segundo algumas fontes, mas segundo outros documentos chamar-se-ia ainda província de Angola nos anos 20; e em 1933 foi dividido em 5 províncias, sendo a Huíla uma delas por sua vez subdividida nos distritos da Huíla, Moçâmedes e Cunene. Em 1954 foram tacitamente extintas as províncias e ressurgiram os distritos. Angola voltara a designar-se globalmente de Província (Ultramarina) de Angola até 1971 e daqui até à independência em 1975 chamar-se-ia Estado de Angola.
Em 1970, do distrito da Huíla foi entretanto desanexada uma parte importante do seu território, cerca de metade da sua superfície, com a (re) criação do distrito do Cunene.
Seguem-se biografias de alguns, cremos que da maior parte, dos governadores da Huíla, quer enquanto distrito, quer como província e depois distrito de novo como já se escreveu atrás.
Como DISTRITO DA HUÍLA
- JOÃO MARIA DE AGUIAR – Foi o 1º governador do distrito. Natural de Ponta Delgada. Oficial do Exército foi colocado em Angola em 1898 e era capitão quando foi nomeado em 3.10.1902 Governador do Distrito da Huíla depois de ter sido governador interino do distrito de Moçâmedes. Foi promovido a major enquanto governador da Huíla. Mas seria exonerado deste cargo em 1905 e mandado apresentar em Lisboa, como consequência do que historicamente ficou conhecido como o desastre do Vale do Pembe, rio Cunene, onde uma importante expedição militar portuguesa que tinha por objetivo impor a soberania portuguesa no sudoeste de Angola travou uma grande batalha com pesadas baixas. Foi líder da resistência Mandume ia Ndemufaio residente em Ondjiva que é o patrono da jovem Universidade pública do Lubango criada há poucos anos.
- JOSÉ AUGUSTO ALVES ROÇADAS – Nasceu em Vila Real. Oficial do Exército, já estivera em Angola, ali voltando como capitão e sendo nomeado Governador do Distrito da Huíla tomando posse em 12.4.1905. Iniciou logo operações militares no leste do distrito estendendo-as depois a sul onde foi fundado o Forte Roçadas. Regressou a Lisboa em 1908, sendo-lhe atribuídas diversas condecorações; e foi governador de Macau antes de ser reenviado novamente para Angola, já como tenente-coronel, para o cargo de governador-geral, do qual se demitiu com a implantação da república em 5.10.1910. Mas ainda voltou a Angola em 1914 como comandante da força expedicionária portuguesa que atuou no sul de Angola em batalhas contra as forças alemães aquando da I guerra mundial.
- JOÃO DE ALMEIDA, natural da Guarda. Oficial do Exército foi Governador do Distrito da Huíla entre 1908 e 1910. Antes de o ser combateu em 1907 no norte de Angola, nos Dembos, visando a pacificação ficando conhecido como Herói dos Dembos. Foi combatente na chamada pacificação da Huíla e a ele se deve a fixação da fronteira sul de Angola. Existiu no Lubango uma estátua representando-o e um bairro com o seu nome, sendo este bairro ainda hoje assim chamado vulgarmente.
- ALFREDO FREDERICO DE ALBUQUERQUE FELNER – Oficial do Exército e escritor. Foi no posto de capitão Governador do Distrito da Huíla por pouco tempo, ou seja, de 1911 a 23.03.1912. Foi o primeiro governador da Huíla após a implantação da República. Investigador da história de Angola, que além de inúmera documentação que publicou, escreveu o primeiro trabalho de sistematização da história de Angola.
- CÉSAR AUGUSTO DE OLIVEIRA MOURA BRAZ  - Oficial da Marinha, em 11.1.1912 tomou posse como Governador do Distrito da Huíla interino. O distrito da HUÍLA na ocasião abrangia 4 circunscrições: HUMPATA, CHIBIA, GAMBOS e HUMBE. O "Além CUNENE" era do domínio militar."... Não conseguimos precisar quando terminou o seu mandato.
- ALFREDO FREDERICO DE ALBUQUERQUE FELNER – 2ª vez. Reconduzido no cargo que há havia desempenhado em 1911/12. O segundo mandato durou de 1913 a 1914 e também foi curto. Desempenhou seguidamente, de 1914 a 1916, o cargo de governador do distrito de Moçâmedes.
- JOSÉ AUGUSTO ALVES ROÇADAS – 2ª vez. Já com o posto de major do Exército. Este mandato iniciou-se em 1914 mas não encontrámos elementos em que ano terminou.
- ALBERTO JOSÉ CAETANO NUNES FREIRE QUARESMA. Capitão do Exército quando foi Governador do Distrito da Huíla. Não evidenciámos elementos da duração do seu mandato. Sabe-se contudo que ao seu empenho coadjuvado por vários habitantes do Lubango muito se ficou a dever a criação em 1919 – era por conseguinte governador da Huíla neste ano - da Escola Primária Superior que tomaria o nome de Artur de Paiva (a qual acabou por ser a percursora do Liceu Nacional da Huíla embora este só viesse a ser criado dez anos mais tarde, ou seja, em 1929 e passando a chamar-se de Diogo Cão em 1934).
- ARTUR ERNESTO DE CASTRO SOROMENHO – Encontrámos relatórios seus como Governador do Distrito da Huíla em 1926/27. Foi anteriormente o primeiro administrador da circunscrição civil do Huambo. E seguidamente à Huíla foi governador do distrito do Bié.
- BENTO ESTEVES ROMA – Nasceu em Chaves. Oficial do Exército. Foi mobilizado para Angola em 1912 e regressou a Portugal em 1916 seguindo para França onde combateu nas trincheiras com bravura na I guerra mundial no Corpo Expedicionário Português, tendo sido feito prisioneiro na famosa Batalha de La Lys em 9.4.1918, só libertado com a assinatura do armistício e comandado a companhia portuguesa na parada da vitória em 14.7.1919 em Paris. Foi muito condecorado. Voltou a Angola participando em diversas operações militares numa das quais foi ferido; fez parte do destacamento do Cuanhama na Môngua. Foi governador de outros distritos e Governador do Distrito da Huíla de 27.5.1927 a 1929. Depois, já como tenente-coronel, ainda desempenhou por poucos meses em 1930 o alto cargo de governador-geral de Angola. Há ruas em Lisboa e em Chaves com o seu nome.
- HENRIQUE CARLOS DA MALTA GALVÃO – Oficial do Exército, escritor e político. Foi Governador do Distrito da Huíla de 12.4 a 21.6.1929, embora só terminasse funções governativas dias depois, a 26, quando tomou conhecimento da sua exoneração. Era tenente quando exerceu o cargo o qual foi desempenhado durante pouco mais de dois meses, apenas. Foi exonerado o que levantou alguma celeuma nas forças vivas do Lubango. Veio a ser mais tarde o famoso dissidente político e refugiou-se no Brasil. Comandou o assalto ao navio (paquete) Stª Maria em 1961, episódio que ficou para a história. Autor de muitas e diversas obras.
- …1929 a 1936 – Não encontrámos elementos de quem governou a Huíla nestes anos com a seguinte exceção:
- ALBERTO JOSÉ CAETANO NUNES FREIRE QUARESMA. 2ª vez. Pesquisámos que em 1933 era Governador do Distrito da Huíla, sendo major de infantaria. Já fora governador da Huíla em 1919 quando ainda capitão. Assim sendo, terá sido governador da Huíla por duas vezes embora quer relativamente ao 1º mandato quer ao 2º não conseguimos referências dos prazos em que exerceu tal cargo. E ainda, em listagem dos governadores do distrito de Moçâmedes esta personagem também aparece indicada como seu governador entre 1922 e 1924; depois é novamente referenciado como governador de Moçâmedes em 1930, um dos quatro governadores referidos nesse ano nesse distrito.
Como PROVÍNCIA DA HUÍLA
-MANUEL ABREU FERREIRA DE CARVALHO – Nasceu no Porto. Era oficial do Exército e participou nas campanhas militares do sul de Angola em 1915 e 1916, depois combateu em Moçambique; de 1936 a 1935 foi governador do distrito de Quelimane e após licença em Lisboa foi assumir, com o posto de capitão, as funções de Governador da Província da Huíla entre 1936 e 1939, seguindo depois para governador de Benguela e mais tarde, de 1940 a 1945, para governador de Timor. Como governador da Huíla influenciou e abreviou a aprovação dos estatutos e consequente criação do Rádio Clube da Huíla fundado oficialmente em 4.3.1939 mesmo ainda antes de se iniciarem as suas emissões radiofónicas cuja fase experimental iniciou-se em 28.5 e durou até 11.7.1939 para então se consagrar como importante emissora de rádio (até 1975).
- EURICO EDUARDO RODRIGUES NOGUEIRA – Oficial do Exército, no posto de capitão terá sido Governador da Província da Huíla de 1940 até provavelmente 1943.
- …
- De 1943 a 1945 – Novamente não evidenciámos o(s) nome(s)de quem governou a província da Huíla.
- …
-JOSÉ AGAPITO DA SILVA CARVALHO – Era capitão de artilharia quando foi Governador da Província da Huíla, nomeado em 6.6.1945 desempenhando o cargo até 1947 altura em que foi assumir o cargo de governador-geral de Angola designado para este em 9.9.1947.
…1947 a 1949 - Também não conseguimos encontrar referências de quem foi Governador da Província da Huíla neste período.
- MANUEL DA CRUZ ALVURA – Governador da Província da Huíla desde 28.1.1949 até 1955. No seu mandato, o troço da “Linha do Sul” do Caminho de Ferro de Moçâmedes, que ligava o Lubango, passando pela povoação da Huíla, à vila da Chibia foi inaugurado solenemente em 18.10.1949 pelo governador-geral de Angola capitão Agapito Silva Carvalho, que fora antes também governador da Huíla como se refere atrás, e com a atuação do Orfeão da Universidade de Coimbra. O Dr. Manuel da Cruz Alvura foi depois secretário-geral de Angola.
Como DISTRITO DA HUÍLA (de novo)
- ANTÓNIO AUGUSTO PEIXOTO CORREIA – Oficial da Armada, tinha o posto de capitão-tenente quando foi Governador do Distrito da Huíla de 5.1955 a 1956 ou 1957. Nasceu em VNGaia. Depois foi também governador de Cabo Verde e da Guiné e ministro do ultramar.
- HORTÊNSIO ESTÊVÃO LISBOA DE CÂMARA E SOUSA – Foi funcionário de longa carreira do quadro administrativo atingindo o posto de inspetor administrativo. Governador do Distrito da Huíla de 1958 a 10.1960. Antes e depois desempenhou o cargo de governador de outros distritos de Angola (Bié e Benguela). Eleito pelo conselho legislativo de Angola para membro do conselho ultramarino em Lisboa. Faleceu em 21.10.1975.
- AMÉRICO CARREIRA CASTANHEIRA – Era Governador do Distrito da Huila em 1962 mas não conseguimos determinar as datas de entrada e saída do cargo.
- HERMENEGILDO BICUDO DA COSTA – Governador do Distrito da Huíla de 17.4.1964, reconduzido em 20.4.1966, cessou funções, a seu pedido e por motivo de doença em 27.10.1966. Faleceu em 30.3.1967 em Lisboa no hospital do ultramar.
- … Não conseguimos determinar se houve um governador de distrito entre o anterior e o seguinte.
- CELSO HERMÍNIO DE CARVALHO VILA NOVA – Natural de Angola. Fez carreira no quadro administrativo de Angola. Inspetor administrativo – Governador do Distrito da Huíla de ano que não conseguimos apurar da década de sessenta até 1972 ou 1973.
- JOSÉ FRANCISCO PRETO – Teve carreira de funcionário do quadro administrativo em Angola após se diplomar pela Escola Superior Colonial – Curso de Administração Ultramarina, iniciando-se como chefe de posto administrativo em 1953 e percorrendo os diversos postos do quadro administrativo – secretário, administrador de circunscrição/concelho e intendente administrativo em diversos locais. Licenciou-se em Ciências Sociais e Política Ultramarina. E em 2.9.1973 assumiu o cargo de Governador do Distrito da Huíla que exerceu até 12.1974.
- JOSÉ HENRIQUES DE CARVALHO – Fez carreira no quadro administrativo de Angola. Era o Intendente Administrativo do Distrito da Huíla e – segundo informação de seus familiares – foi Encarregado do Governo do Distrito de 12.1974 até 5.1975 altura em que assumiu o cargo de Governador do Distrito da Huíla até à independência de Angola ocorrida em 11.11.1975, tendo sido assim o último governador da Huíla enquanto administrada por Portugal.
Notas finais e Agradecimentos
O modesto e sucinto contributo atrás descrito com vista a um histórico dos mais de vinte Governadores da Huíla – que na sua maioria foram militares - no tempo da administração portuguesa tem lacunas temporais e outras e terá decerto falhas ou omissões, nomeadamente nas datas dos mandatos dos respetivos titulares bem como não foram encontrados elementos sobre encarregados de governo entre saídas e entradas de governadores sucessivos. Face aos meios que dispusemos – net, informações colhidas, nossos livros e memória - não nos foi possível colmatar ou preencher melhor o tema como desejaríamos. Mesmo assim não quisemos deixar de redigir despretensiosamente este modesto apontamento para a história da nossa terra huilana. E, como já se referiu, fica a deixa para que algum dia alguém elabore uma descrição mais completa e profunda da matéria, ou seja, sobre quem e como governou a Huíla de 1901 até à independência de Angola em 1975.
Agradeço a imprescindível ajuda de meu irmão Higino Rodrigues na pesquisa e revisão de muitos dados, ao Dr. Francisco Preto que foi Governador da Huíla por me ceder a sua biografia e aos familiares do último Governador José Henriques de Carvalho pelas indicações prestadas.
Júlio Rodrigues
“Artigo publicado no Livro do 36º Convívio `Os Inseparáveis da Huíla’ – Dias 13 e 14 de julho de 2013 – Mata Rainha D. Leonor – Caldas da Rainha”















































2 comentários:

  1. Sensibilizado que fiquei, por se haver lembrado de mencionar o nome de meu inesquecível pai, José Henriques de Carvalho; que tudo tentou para manter na Huila a população portuguesa, que ainda ali se encontrava em 1974/75. Bem haja !
    Rui Henriques de Carvalho

    ResponderEliminar
  2. Em miúda, ouvia meu pai Óscar Soares, falar com muito respeito e orgulho do cunhado, José Henriques de Carvalho, meu tio.

    ResponderEliminar

Mensagens populares